Thursday, Apr 24th

Last update07:27:57 PM GMT

Você esta aqui: Experiência Vamos às compras Raio X das escolas cervejeiras pelo mundo e seus ingredientes
banner-top-expansivel-980x300-Consumidor-Moderno

Raio X das escolas cervejeiras pelo mundo e seus ingredientes

E-mail Imprimir PDF

Os ingredientes básicos da verdadeira cerveja são: água, malte, lúpulo e levedura. O que modifica os sabores da popular bebida, aromas e coloração é a quantidade, ponto e maneira que esses ingredientes essenciais são utilizados.

O professor Túlio Rodrigues, sócio diretor da Beer Academy Brasil e co-fundador do curso de sommelier de cervejas, explica os pormenores sobre as principais escolas cervejeiras.

"Cada país tem uma legislação sobre o que se pode ou não colocar nas cervejas. Na Belgica por exemplo, é muito comum utiliza frutas como pêssego, framboesa e cerejas nas cervejas de fermentação natural. A Áustria, Alemanha as cervejas de trigo são comuns e no começo da história da cerveja a adição de anís estrelado, sementes de coentro, cascas de laranja e ervas era muito comum para dar aromas e sabores a cerveja", elucida o sommelier.

 

Onde são populares

Túlio acrescenta que o consumo de cerveja é popular em todo o mundo, mas podemos dizer que existem basicamente quatro escolas de cervejas: alemã, a inglesa, belga e a americana.

A escola alemã, que envolve também Áustria e República Tcheca, tem como principais características a lealdade à cultura regional dos seus estilos, pois cada cidade, até as mais pequenas tem suas cervejarias, são mais de 5 mil marcas existentes e todas são fieis à Lei da Pureza de 1516.  Os estilos de cervejas mais comuns da escola alemã são German Pils, Bohemia Pils, Münchner Helles, Vienna Lager, que tem como características principais quatro ingredientes: água, levedura, malte e lúpulo, que dentre muitos outros itens, dão aromas e sabores a cerveja.

Já a escola inglesa com Escócia e Irlanda, tem o hábito da confraternização, sair pra beber com os amigos em um Pub é um hábito frequente, nesses locais o maior consumo é das cervejas em barril, os estilos preferidos são as Porters e as Pales Ales, que são menos carbonatadas e em consequência tem menos espuma. Mas tem nas IPA - India Pale Ale, Old Ale, Scotch Ale, Stout, Irish Red Ale, seus principais estilos, são cervejas de alta fermentação que têm notas aromáticas desde as terrosas, herbais dos lúpulos ingleses, até torrado e cafés das Stauts.

Os estilos da escola belga como Dubbel, Tripel, Quadrupel, tem como características a explosões de aromas e sabores. As belgas são únicas. Cervejas de Abadia, Trapistas... muitas delas sem estilos definidos, costumam realçar o malte ao lúpulo, mas é comum a adição de diversas especiarias, como casca de laranja, coentro, anis estrelado, entre outros.

A nova escola Norte Americana, traz inovação aos tradicionais estilos centenários europeus, elas vão de um estremo ao outro, desde as lights até as mais “lupuladas do mundo. Outro fenómeno americano é o das microcervejarias, no inicio da década de 1990 eram apenas 290, hoje são quase 2.000 e cada uma imprime novidades e versões aos tradicionais estilos europeus.

"Muitos ainda pensam que a cerveja americana Budweiser é a mais vendida. Desde 2001, a cerveja mais vendida nos EUA é a da Budweiser, mas é a Bud Light. Com uma participação de quase 16% do mercado total, Bud Light também é a marca mais vendida no mundo, isso por que é vendida fora dos EUA apenas no Canadá, Irlanda, México, Colômbia e Suécia. Budweiser é a segunda nos Estados Unidos (assim como o mundo), com Miller Lite em 3º, Lite Coors em 4º e Corona Extra em 5º", afirma o professor.

Ingredientes

Os ingredientes da cerveja são um episódio importante. Sobre eles, Túlio explica:

O que é malte?


O malte é o resultado da transformação do grão da cevada através do processo chamado de maltagem. Aqui os grãos são umedecidos iniciando a sua germinação, sendo interrompida na sequência para que ocorra a quebra parcial do amido e proteínas, fundamental na formação de sabor e aroma do malte. 

Torrefação, cor e sabor - A torrefação é a parte final da transformação do malte, que o define com umas das matérias primas da cerveja. Neste processo cor, aroma e sabor são determinados pelo seu grau de torrefação. 

Quanto mais torrado o malte, mais escura será a cerveja que produzirá também aromas e sabor que remetem a chocolate, caramelo, café, tostado e torrado. Também como resultado, as suas cores variam entre dourado, âmbar, vermelho, marrom e tons mais escuros.


Levedura o que é?


A levedura é um fungo unicelular responsável pela fermentação alcoólica de soluções açucaradas. O gênero mais importante é o Saccharomyces, do qual se destaca a espécie Saccharomyces cerevisiae, vulgarmente apelidada de levedura de cerveja. Estes organismos desde há muito são utilizados para fermentar o açúcar de cereais como o trigo, a cevada e o malte entre outros.  Seu nome vem do latim levare e significa crescer ou fazer crescer.

A levedura de cerveja é um suplemento rico em vitaminas do complexo B. É também uma excelente fonte de proteínas, de vitaminas, de minerais, de aminoácidos essenciais e de ferro orgânico.


O que é lúpulo?

O lúpulo é uma planta da família Liana ou mais conhecida como trepadeira que pode ser herbácea ou lenhosa e chegam a atingir até 5 metros de altura.

O primeiro campo de cultivo de lúpulo data do ano de 736 em Hallertau e ainda hoje esta região é responsável por 25% de toda a produção mundial. Tornou-se popular nas cervejarias a partir do séc. XVI principalmente após a proclamação da “Lei da Pureza da Cerveja” em 1516, na Alemanha.

É uma planta característica de regiões de clima frio, com apenas uma safra anual e colheita entre os meses de agosto e setembro. Não é produzida no Brasil e todo o lúpulo utilizado na fabricação das nossas cervejas é importado.

Leia mais:

Você conhece a diferença entre chopp e cerveja?

Loiras, ruivas e morenas: conheça os diferentes tipos de cervejas

Cervejas especiais agradam paladares femininos